Colégios da Rede Marista implantam Wi-Fi indoor

23/04/2015 20:35

Projeto levará rede sem fio as 18 escolas maristas, distribuídas por diversas cidades do RS e DF, com gerenciamento em nuvem centralizado na matriz, em Porto Alegre.

 

Os Colégios da Rede Marista, instituição educacional que conta com mais de 50 mil estudantes de educação básica e ensino superior, 60 mil atendidos nas unidades e projetos sociais e 10 mil colaboradores no Rio Grande do Sul e Brasília, acabam de implantar uma rede Wi-Fi indoor. O projeto é baseado em equipamentos Cisco/Meraki e envolveu a aquisição de 144 Access Points modelo MR18, que oferecem velocidade de 600 Mbps e gerenciamento 100% em nuvem. Atualmente, a iniciativa está em pleno funcionamento em dez dos 18 colégios da Rede, e deve ser concluída até o segundo semestre de 2015.

WiFi pública ainda não passa no teste dos usuários

O coordenador de TI dos Colégios e Unidades Sociais da Rede Marista, José Marçal de Araújo Junior, explica que na primeira fase foram priorizadas as áreas internas de maior circulação dos colégios e as salas de aula. Nas próximas etapas, o objetivo será alcançar praticamente 100% de cobertura das áreas das escolas, envolvendo pátios, ginásios e demais instalações.

O gestor destaca que o Wi-Fi abriu um vasto leque de possibilidades em tecnologias educacionais, sobre o qual o feedback dos colégios que já utilizam a estrutura tem sido muito positivo. “Por meio da estrutura WiFi, a TI pode prestar novos serviços a professores, funcionários e estudantes. Estamos, por exemplo, desenvolvendo um novo framework educacional para os professores, que poderão acessá-lo via dispositivos móveis, agilizando em muito sua rotina. Prevemos estender o uso desta rede sem fio ao máximo, adquirindo novas aplicações constantemente para melhorar a experiência de nosso público interno e externo”, destaca Marçal.

Além das vantagens para os usuários, o projeto de Wi-Fi também trouxe benefícios para quem faz a gestão da rede. O principal deles é a Cloud-Managed Networking (Rede Gerenciada em Nuvem). Com isto, a TI dos Colégios e Unidades Sociais da Rede Marista pode controlar, por meio de um painel único, todos os Access Points instalados, independente de onde estes estejam localizados. Com isso, tarefas antes complexas, como unificação de políticas, provisionamento, instalação, escalabilidade, atualizações, monitoramento, redundância e alta disponibilidade, passam a ser feitas de maneira quase automática.

“Temos acesso a tabelas com número de usuários ativos na rede naquele momento, ou quanta banda está sendo usada em cada colégio, entre outros dados. Temos segmentação das redes: uma para os funcionários, outra para os estudantes e outra para os visitantes dos colégios. Com isso conseguimos uma gestão segmentada e clara, que evita problemas de privacidade e de armazenamento de log”, explica Marçal. Os colégios maristas têm, ainda, a possibilidade de guardar o histórico de navegação na rede Wi-Fi, comlogins de acesso, por até cinco anos, muito útil para questões legais.

Leandro Lopes Cabreira, diretor da TechChannel – IT Solutions, canal integrador que fez toda a implantação do projeto, destaca também que os equipamentos instalados têm funcionalidades dedicadas a tratar o uso de banda/link, permitindo criar políticas de acesso granulares e específicas. Assim, garantem, bloqueiam ou limitam a banda por tipo de usuário, tipo de dispositivo utilizado ou até mesmo conforme o tipo de aplicação acessada, o que melhora a gestão e o aproveitamento dos links existentes.

“Por exemplo, enquanto os estudantes no Laboratório de Tecnologias Educacionais têm banda garantida para assistir a um vídeo no YouTube, os professores podem inserir as notas no Portal do Aluno; a equipe do financeiro tem prioridade no uso dos sistemas corporativos; e os pais que estão na Recepção podem tranquilamente acessar o Facebook ou enviar mensagens pelo WhatsApp. Tudo devidamente controlado pela TI, com segurança e maximização do aproveitamento dos links”, ressalta Cabreira.

Quanto à segurança, a estrutura Wi-Fi utiliza o mesmo padrão da rede cabeada dos colégios maristas, com soluções que permitem à Direção de cada instituição definir a liberação de acesso aos estudantes. Dessa forma, é possível liberar o acesso wireless em determinadas áreas durante o recreio e cessá-lo em período de aula, por exemplo. Cada colégio também pode fazer o controle de conteúdo, gerenciando o que pode ser acessado por cada faixa de usuários.

Para Cabreira, o principal desafio do projeto foi pensar uma rede Wi-Fi que atendesse a necessidades atuais e, ao mesmo tempo, preparasse os colégios maristas para demandas e investimentos futuros, aproveitando a evolução constante da oferta de tecnologias para o ambiente educacional. Uma rede preparada para o padrão de expectativa altíssimo das gerações Y e Z, alunos que já trazem para a escola o DNA de uso de redes sem fio e dos mais variados tipos de dispositivos, incluindo os equipamentos e tecnologias mais modernos,e que estão muito acostumados a acessar conteúdo em nuvem.

 

“Em razão disto, este projeto foi pensado com um enfoque de Next Generation Wireless, no qual a rede sem fio tem de estar preparada para se tornar a rede principal, podendo em uma linha de tempo até mesmo substituir a rede cabeada”, projeta Cabreira. “Temos uma rede Wi-Fi pronta para atender a nossas necessidades de hoje e preparada, em termos de compatibilidades, padrões e capacidades, também para o amanhã”, finaliza Marçal.

 

Fonte:ipnews


Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Design profissional
  • Criação super fácil

Este site foi criado com Webnode. Crie o seu de graça agora!