BYOD não se restringe a estratégias de compras corporativas, diz Gartner

03/12/2013 11:14

Novo estudo examina estratégias e arquitetura de aplicativos móveis.

Bring your own device (BYOD) não é apenas uma política de aquisições, e precisa ter uma abordagem mais ampla com análise de aplicações e definições de estratégias compatíveis com as tendências atuais, avalia o Gartner.

BYOD ainda é um tabu entre empresas brasileiras

A consultoria identifica que a maioria das empresas hoje já percebe a importância das aplicações móveis, mas muitas não sabem por onde começar e identificam vários obstáculos para o sucesso. E recomenda que a decisão-chave sobre BYOD reside em uma arquitetura de aplicações e soluções de design.

“Desenhar aplicativos endereçados à demanda de BYOD é diferente de implementar políticas ou planos estratégicos para uma plataforma específica”, informa Darryl Carlton, diretor de pesquisa do Gartner.

"BYOD deve orientar um portfólio de aplicativos neutro de fornecedor e uma arquitetura flexível. Se os aplicativos apresentam limitações técnicas, que limitem sua escolha e implantação, então a política de compras é irrelevante", completa.

A maioria das organizações tem a força de trabalho diversificada, composta de colaboradores diretos, terceirizados e independentes e funcionários em tempo parcial. Além das alterações na força de trabalho, todas as empresas (negócios, governo e comunidade) foram empurrando seus processos, além de seus próprios limites organizacionais, o que torna cada vez mais evidente a dificuldade da área de TI de manter controle absoluto sobre as ferramentas usadas para acessar os sistemas corporativos e dados.

“A comunidade de usuários está crescendo e incluindo fornecedores, clientes e empregados, além de uma gama muito ampla de acionistas”, afirma Carlton. “Não estamos desenvolvendo e integrando aplicações para um grupo exclusivo de usuários, em ambiente padronizado e controlado”, alerta.

Este desenvolvimento desencadeia a necessidade de analisar técnicas e práticas que o Gartner chama de computação de "classe mundial" — uma abordagem para a concepção de sistemas e arquiteturas que se estende a processos fora da empresa, para as culturas do consumidor, trabalhador móvel e parceiros de negócios.

O estudo indica que a abordagem de classe mundial explora as características de habilitados para Internet computing e emprega a aplicativos e serviços que são mais flexíveis e inclusiva, mais simples e de menor custo em relação àqueles criados para a empresa. A única maneira de abordar o impacto de classe mundial é o adotando como princípio na estratégia de aplicativos.

 

fonte ipnews


Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Centenas de templates
  • Todo em português

Este site foi criado com Webnode. Crie um grátis para você também!