Fraude financeira é a principal ameaça cibernética no Brasil, diz estudo

10/10/2018 10:28

A Fortinet realizou esta semana em São Paulo, a edição 2018 do Fortinet Cybersecurity Summit (FCS) – maior evento da área de segurança da informação no país. Na ocasião, apresentou dados de uma pesquisa exclusiva realizada pelo FortiGuard, laboratório de inteligência de ameaças da companhia que coleta e analisa informações sobre incidentes em mais de quatro milhões de dispositivos de segurança em todo o mundo.

De acordo com o levantamento, nos últimos 30 dias, a maioria das empresas no Brasil foi alvo de algum tipo de ataque relacionado à fraude financeira. A pesquisa revela que as ameaças são extremamente elaboradas e algumas delas contam com campanhas de phishing malspam e engenharia social, além de diversas técnicas para evitar defesas de antivírus. Esse tipo de descoberta de malware, como visto pelos sensores Fortinet, ficou em primeiro lugar no Brasil com 17,64% de detecções.

O impacto de um malware destrutivo continua alto, principalmente quando os criminosos o combinam a metodologias de ataque desenvolvidos com um alvo em mente. Para estes ataques mais direcionados, os criminosos realizam uma análise detalhada da organização antes de iniciar o ataque, ajudando a aumentar as taxas de sucesso.

 
 

“Os criminosos cibernéticos estão usando não apenas o desenvolvimento ágil, mas também a automação para promover esses ataques financeiros específicos. As organizações precisam combater com automação própria, utilizando o aprendizado de máquina para entender e até mesmo para prever as últimas explorações dos maus atores, para que possam ficar à frente dessas ameaças avançadas”, afirma Douglas Santos, Estrategista de Segurança da Fortinet, responsável pela pesquisa.

Em segundo lugar, com 14,31%, estão as detecções relacionadas ao criptominerador CoinHive, colocando o Brasil em terceiro lugar no mundo, acima da média mundial de 8,25%. O malware de criptomineração também apresenta uma diversidade incrível para uma ameaça relativamente nova. Os cibercriminosos estão criando malware sem arquivos, que fica mais escondido, para injetar códigos infectados em navegadores com menos detecção. Os cibercriminosos estão almejando vários sistemas operacionais e diferentes criptomoedas, incluindo Bitcoin e Monero.

Além disso, os cibercriminosos estão atacando também dispositivos IoT, inclusive residenciais. Estes equipamentos são um alvo muito atraente devido à sua potência computacional, que pode ser usada para fins maliciosos. Os criminosos carregam malware nesses dispositivos que realizam a mineração de forma contínua, porque esses dispositivos estão sempre conectados. As interfaces com estes aparelhos estão sendo exploradas como navegadores modificados, o que aumenta as vulnerabilidades e a exploração de vetores. Neste contexto, a segmentação será cada vez mais importante para dispositivos conectados a redes corporativas, pois a tendência é de aumento dos ataques.

Em 2018, algumas campanhas cibercriminosas que tiveram relevância global foram especialmente ativas no Brasil. São elas:

  • CamuBot: Malware financeiro distribuído atraves de sofisticadas campanhas de engenharia social
  • Roteadores Mikrotik afetados com cryptomining: Responsáveis pelo ataque implantavam módulos que injetavam javascript nas páginas dos usuarios
  • DDoS via Memcached: Brasil esteve entre os mais atacados por DDoS via Memcached.

Além disso, a prevalência de malware móvel continua a ser importante no Brasil, mais famílias de malware para Android estiveram na lista dos 10 principais por volume e prevalência. De todos os vírus observados, os que têm como alvo a plataforma móvel, um volume considerável destina-se a plataformas Android, número que continua crescendo mês a mês.

 

Fonte:ipnews


Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Centenas de templates
  • Todo em português

Este site foi criado com Webnode. Crie um grátis para você também!