Pesquisa diz que indústria móvel brasileira não está pronta para a Copa do Mundo

06/03/2014 08:07

Projetos de infraestrutura móvel só estarão completos até 2018, diz pesquisa.

Não é novidade que as operadoras móveis no Brasil têm deixado a desejar na qualidade dos serviços prestados ao consumidor, e o órgão regulador do Brasil, a Anatel, tem cobrado mais qualidade - chegando a proibir vendas de chips, e enrijecer as regras para que os índices de reclamações nos órgãos de defesa ao consumidor, ao menos caiam.

Evitar cibercrime também será papel do Brasil na Copa do Mundo
Reclamações contra setor de telecom enrijecem deveres das operadoras

Imagina na Copa? A questão que se adéqua a qualquer tipo de serviço prestado no e pelo País foi o tema central de um levantamento da Infonetics, que concluiu: os serviços móveis no Brasil não estão preparados para receber o evento da Fifa.

Um dos motivos destacados pela empresa é que o país têm estações radiobase insuficientes para suportar os serviços móveis (downloads e uploads) dos atuais usuários, que chegam a 276 milhões. Imagina dos visitantes? Outro destaque foi a velocidade das conexões móveis, que ainda é baixa, e chega a 1.4 Mbps.

O informativo destaca que o Brasil também está engatinhando no 4G - que superou 1 milhão de acessos em 2013 - mas os gastos com a tecnologia chegaram a US$ 96 milhões no período. Enquanto isso, com 3G, as prestadoras gastaram US$ 278 milhões.

“Embora o país seja grande e tenha influência econômica, a infraestrutura móvel é modesta em tamanho, com um total de 60 mil estações de radiobase instaladas, até o início do ano passado. Só para comparar, a AT&T, nos Estados Unidos, tem esse total de equipamentos”, afirmou Stéphane Téral, principal analista de infraestrutura móvel da Infonetics.

“O Brasil tem muitos problemas, inclusive com suas ‘raízes anti-Copa do Mundo’, e os de infraestrutura; e no meu ponto de vista, eles possivelmente não estarão prontos – no quesito móvel – faltando menos de quatro meses para o evento”, adicionou Stéphane. “Eles instalaram alguns sistemas de antenas em estádios, e até então, tudo bem. Mas, existem poucas antenas nos bairros, como ao redor do Marcanã, no Rio, para suportar o tráfego móvel e impedir congestionamentos. Em Jacarepaguá, por exemplo, existem 24 estações – e boa parte dos que visitarão as Olimpíadas, em 2016, ficarão lá. O Brasil tem muito trabalho pela frente”, conclui, e ressalta que a Infonetcis espera que os projetos de infraestrutura móvel avancem até 2016, e se tornem projetos completos de  infraestrutura, pelo menos até 2018.

Segundo a empresa, a Telefônica e TIM estão na liderança local, e em equipamentos de redes, a NSN (Nokia Solutions and Networks), Ericsson e Huawei têm grande espaço no Brasil.

A empresa de pesquisa destaca que a base do pré-pago caiu de 85%, há uma década, para 71%, atualmente, por causa da migração para o pós-pago.

 

Fonte:ipnews


Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Design profissional
  • Criação super fácil

Este site foi criado com Webnode. Crie o seu de graça agora!