Primeiro teste de 5G no Brasil vai ser realizado em 2016

20/10/2015 13:55

Empreendimento ficará a cargo da Ericsson e da América Móvil, que também implantarão um sistema de Internet das Coisas.

A Ericsson e a América Móvil vão realizar o primeiro teste de 5G no Brasil em 2016. O projeto vai permitir que operadoras de telecomunicações e seus parceiros do ecossistema, como universidades, agentes de saúde, energia e agricultura, experimentem as funcionalidades da conexão em uma rede ao vivo.

As duas companhias também vão implementar um sistema de testes para Internet das Coisas (IoT). A intenção é preparar as indústrias brasileiras e o setor público para a transformação das tecnologias de informação e comunicação (TIC). Essa iniciativa vai focar, especificamente, em aplicações de baixo consumo de bateria, como sensores de baixa potência para áreas remotas.

Para Hans Vestberg, presidente e CEO da Ericsson, as TICs podem apoiar a transformação de todos os setores da sociedade e da indústria. “Estou convencido de que a próxima geração de banda larga móvel e a Internet das Coisas, possibilitadas pelo 5G, vão acelerar ainda mais as oportunidades de avanço em áreas como saúde, educação, serviços de energia e agricultura, e em novas aplicações na indústria”, afirma.

Internet 5G será testada durante a Copa do Mundo da Rússia

Parceria com universidades

A Ericsson também anunciou parcerias com universidades brasileiras, todas com previsão para 2017. A pesquisa de 5G será desenvolvida junto a Universidade Federal do Ceará (UFC), além de mais dois projetos. Um deles, o MiMo (multiple-input multiple-output), utilizará sistemas de 5G com design transceptor através de várias antenas em estações rádio base e terminais de usuários. O objetivo é aumentar a capacidade dos sistemas de comunicação móvel atuais.

O outro projeto com a UFC será o D2D (Intelligent radio resource allocation), que tem como objetivo controlar e prover qualidade de serviço em sistemas 5G. Usando algoritmos e técnicas de alocação de recursos de rádio, a ideia é possibilitar taxas de bits mais elevadas e maior satisfação do usuário para sistemas de comunicação 5G móveis.

A Ericsson também vai coordenar um projeto em parceria com a Universidade de São Paulo (USP) e a Universidade de Campinas (Unicamp). Chamado de Cyber-Physical Systems, o programa busca desenvolver redes que se comunicam sem intervenção humana, baseados em sistemas de comunicação autônomos com sensores. Eles poderiam, por exemplo, fornecer a base para sistemas rodoviários que se comunicam com autoridades rodoviárias em casos de emergência, monitorando as condições da estrada.

 

Fonte:ipnews


Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Centenas de templates
  • Todo em português

Este site foi criado com Webnode. Crie um grátis para você também!